sexta-feira, 25 de junho de 2010

Charge do Correio de Sergipe provoca nota de repúdio do Sindijor


O Sindicato dos Jornalistas do Estado de Sergipe vem, de forma veemente, repudiar a charge “encomendada” em seu conceito e publicada no jornal Correio de Sergipe, edição 2.826, de quarta-feira, 23 de junho, página 2.

A charge, de forma agressiva e até mesmo estúpida, usa da referência aos problemas de saúde de um profissional jornalista dos mais queridos e respeitados da imprensa sergipana, o companheiro Cleomar Brandi, num flagrante ataque à sua dignidade humana, para fazer política rasteira na tentativa de atingir o governador Marcelo Déda e seu governo, no tocante à sua política de gestão para a Fundação Aperipê de Sergipe, que congrega as Rádio e TV Aperipê, e da qual Cleomar é um dos seus funcionários efetivos mais antigos e pela qual tem dado o seu sangue, o seu suor, o seu profissionalismo e competência, e até mesmo a sua vida em prol daquela emissora pública.

Na charge, de forma grosseira, Déda carrega Brandi, em sua cadeira de rodas, para fora da fundação Aperipê, dizendo que é bom que este “deixe” a fundação para ir “descansar”, antes que “algo de mal (sic)” aconteça.

É do conhecimento de toda a sociedade sergipana a luta que o companheiro jornalista Cleomar Brandi trava pela vida há décadas, mas sem jamais se desestimular ou se “encostar”, como fazem muitos, por conta das conseqüências dos tratamentos e das internações hospitalares que por vezes precisa submeter-se.

Como também é sabido de todos que, mesmo fazendo um tratamento severo, como é a quimioterapia, Brandi não se deixa abalar jamais e, assim que deixa o tratamento, segue para a sua rotina de trabalho na fundação Aperipê e em outros meios de comunicação aos quais presta relevantes serviços. Brandi é um exemplo de obstinação, de força interior, de luta pela vida e, para além disso, um exemplo de profissional íntegro, correto e trabalhador.

Portanto, soa torpe a charge do Correio de Sergipe e a mensagem que busca passar. Somos, enquanto Sindicato de profissionais de Comunicação, intransigentemente defensores da liberdade de expressão e de imprensa, mas há que se condenar o abuso desses direitos inalienáveis.

Neste sentido, nos solidarizamos integralmente com o companheiro jornalista Cleomar Brandi.

E sendo o Correio de Sergipe dirigido por pessoas que tenham mesmo compromisso com a liberdade de expressão e de imprensa e que sejam respeitadores da dignidade da pessoa humana, deveriam, em sua próxima edição, estampar em letras garrafais, na primeira página do jornal: CLEOMAR BRANDI, NOSSOS SINCEROS PEDIDOS DE DESCULPA.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Sergipe

Pobre do Graciliano Ramos

Da repórter que cobria as enchentes na cidade de Quebrangulo no sertão de Alagoas:..aqui é a cidade onde mora o escritor Graciliano Ramos!

Para saber:
Graciliano Ramos
nasceu no dia 27 de outubro de 1892, na cidade de Quebrangulo, sertão de Alagoas, filho primogênito dos dezesseis que teriam seus pais, Sebastião Ramos de Oliveira e Maria Amélia Ferro Ramos. Viveu sua infância nas cidades de Viçosa, Palmeira dos Índios (AL) e Buíque (PE), sob o regime das secas e das suas que lhe eram aplicadas por seu pai, o que o fez alimentar, desde cedo, a idéia de que todas as relações humanas são regidas pela violência. Em seu livro autobiográfico "Infância", assim se referia a seus pais: "Um homem sério, de testa larga (...), dentes fortes, queixo rijo, fala tremenda; uma senhora enfezada, agressiva, ranzinza (...), olhos maus que em momentos de cólera se inflamavam com um brilho de loucura". Moreu no dia 20 de março de 1953 no Rio de Janeiro.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Um ano sem diploma



Após um ano da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que extinguiu a obrigatoriedade do diploma para jornalistas, a Campanha em Defesa do Diploma fez um protesto, ontem (17), em frente à Associação Brasileira de Imprensa (ABI), na Rua Porto Alegre, no Centro do Rio. Representantes da Comissão Especial da Câmara dos Deputados visitaram a ABI para debater a proposta de emenda constitucional que resgata a exigência do diploma, a chamada PEC dos Jornalistas.

Em plenário, no dia 17 de junho de 2009, por oito votos a um, os ministros do STF atenderam a um recurso protocolado pelo Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão no Estado de São Paulo (Sertesp) e pelo Ministério Público Federal (MPF), que pedia a extinção da obrigatoriedade do diploma. Para o MPF, o decreto-lei 972/69, que estabelecia as regras para exercício da profissão, é incompatível com a Constituição Federal de 1988.


Do G1 RJ

Morre aos 87 anos Saramago, Nobel da Literatura em 1998

O escritor português e Prémio Nobel da Literatura em 1998 José Saramago morreu hoje aos 87 anos em Lanzarote. José Saramago nasceu na aldeia ribatejana de Azinhaga, concelho de Golegã..

Entre os seus outros livros estão os romances «O Ano da Morte de Ricardo Reis» (1984), «A Jangada de Pedra» (1986), «Ensaio sobre a Cegueira» (1995), «Todos os Nomes» (1997), e «O Homem Duplicado» (2002); a peça teatral «In Nomine Dei» (1993) e os dois volumes de diários recolhidos nos «Cadernos de Lanzarote» (1994-1997).