sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

A dengue e a briga pela audiência







Nesta semana foi anunciada a suspeita do primeiro caso de dengue hemorrágica em Sergipe no ano de 2009. O fato foi dado na quarta feira pela maioria dos veículos de comunicação. Mas o que chamou a atenção mesmo foi a disputa entre a TV Sergipe e a TV Atalaia. Na quarta feira, dia 25, falava-se: ''...é a primeira criança vítima da dengue hemorrágica em Sergipe'', disse a repórter na matéria da TV Sergipe. Nas entrevistas, médicos se desdobravam para tentar convencer os jornalistas que apesar da suspeita, nada podia ser confirmado naquele momento sem os dados do exame. Na concorrente TV Atalaia, saia a manchete: ''...não foi confirmado caso de dengue hemorrágica na criança internada no hospital João Alves em Aracaju...'' E não tinha sido mesmo. Na sexta feira, dia 27, sai o tão esperado resultado confirmando a suspeita da doença e as duas emissoras tratam de se justificar. A TV Sergipe anunciando o que já tinha sido divulgado e comemorando por ter dado a notícia antes e a TV Atalaia lembrando que: ''...agora sim, pode-se confirmar o caso de dengue hemorrágica na criança de um ano e cinco meses'', numa clara alfinetada na concorrente do morro. Ainda na entrevista com o médico responsável pelo caso falou-se sobre espetacularização da notícia, mais uma alfinetada. Dizia a repórter: ''...é preciso ter cuidado para não criar pânico nas pessoas...'' O médico, que parece não ter notado que estava no meio de uma briga não deixou escapar a chance de falar sobre os cuidados que a imprensa tem que assumir nessa hora e para não criar nenhuma saia justa encerrou a confusão: ''...a imprensa tem um papel muito importante para o esclarecimento do risco da doença...''

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Perguntar não ofende II - carnaval

Ainda sobre carnaval, ouve-se muito a expressão..."a manifestação tal é uma das mais antigas do Brasil...."Não é preciso consultar, mas ainda assim fui olhar em alguns dicionários o significado do termo.

A explicação é do dicionário Michaelis:
Tradição vem do latim (lat traditione) 1 Ato de transmitir ou entregar. 2 Comunicação ou transmissão de notícias, composições literárias, doutrinas, ritos, costumes, feita de pais para filhos no decorrer dos tempos ao sucederem-se as gerações. 3 Notícia de um feito antigo transmitida desse modo. 4 Doutrinas, costumes etc., conservados num povo por transmissão de pais para filhos. 5 Conjunto de usos, idéias e valores morais transmitidos de geração em geração. 6 Memória, recordação, símbolo.

Então não há por que usar a expressão tradição antiga porque toda tradição é antiga. Não existe tradição nova. O que se pode usar é o tempo como referência na informação. Exemplo: ...a manifestação tal tem mais de 200 anos de existência.

Perguntar não ofende I - carnaval

Em época de carnaval e muita festa, já repararam que as perguntas são sempre as mesmas:vem de onde? O que é que está achando da folia? Mas o que realmente chama a atenção é quando o repórter sai com aquela clássica: e aí, tá gostando da festa? E a pergunta sempre é feita a quem está no meio da folia com uma cara óbvia de satisfação. Eu sempre fico torcendo para algum folião mais ousado, de preferência ao vivo ( porque se for gravado vão cortar) responder: não minha filha, não estou gostando, estou arrasado, é porque eu sou masoquista e gosto de me castigar ficando num local deste!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Caiu de onde?

Dias desses ouvindo noticiário de rádio, deparei-me com a seguinte explicação em relação a um episódio que deixou uma senhora de 70 anos com a perna quebrada: ... "a senhora estava em casa e acabou caindo da própria altura"... Eu nunca tinha escutado algo semelhante. Conversei com um amigo que tem muito tempo de rádio e ele me disse que o termo é antigo, das ondas radiofônicas da década de 60 e 70, mas que hoje em dia não se usava mais. Bom, depois de escutar isso, parece-me bem familiar o ditado: quanto maior a altura, maior a queda! Tomara que a velhinha citada na reportagem não passe de um metro e meio!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Que horas começa o dia?

Vira e mexe alguém diz em reportagem: para dona fulana, o dia amanheceu cedo. Dias desses, uma repórter disse que para um determinado agricultor, o dia começava cedo. Todo dia começa na mesma hora. O serviço de cada um é que varia.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

De Machado de Assis

Não te irrites se te pagarem mal um benefício; antes cair das nuvens que de um terceiro andar.

Em breve curso de treinamento para estudantes de Jornalismo

Em breve, estarão sendo formadas as primeiras turmas do curso de treinamento na área de Jornalismo. As aulas serão voltadas para o aperfeiçoamento em texto, produção, edição, reportagem e apresentação com módulos separados e independentes. O mercado sergipano tem uma grande carência nessa àrea. Mais informações depois do carnaval, lógico, quando o país entra em 2009 de vez!

Primeiros socorros são sempre simples?

Chamou a atenção na semana passada uma reportagem de televisão em que o destaque era o trabalho das equipes do SAMU - Serviço de Assistência Móvel de Urgência. O repórter na hora de explicar o tipo de atendimento feito principalmente às vítimas de acidentes não pensou duas vezes ( nem leu mais de uma vez o texto que escreveu) e disse: "...as equipes de médicos e enfermeiros atendem desde os primeiros socorros até os casos mais graves...". O contraponto feito pelo repórter não deixa dúvidas: ele classificou os casos de forma errada. Primeiros socorros tanto podem ser simples quanto graves. Talvez ele tivesse a intenção de escrever: "...as equipes de médicos e enfermeiros prestam os primeiros atendimentos e os casos vão dos mais simples aos mais graves. Agora sim!

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Que confusão!

De um repórter de rádio falando sobre a morte de um taxista direto da Delegacia Plantonista no centro de Aracaju: " estou aqui na delegacia plantonista onde um taxista foi assassinado e vou ouvir agora os parentes!"'... Meu Deus, pensei eu! Nem na delegacia as pessoas estão seguras. Mas depois ouvindo atentamente a notícia, percebi que a morte tinha ocorrido num bairro da zona leste da cidade e não na delegacia. Misturou as bolas, deu no que deu! Quem sabe se ele falasse: ...estou aqui na delegacia plantonista onde estão parentes de um taxista assassinado no bairro tal hoje pela manhã...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Portal corrige informação

O portal que divulgou a informação que móveis usados estavam sendo vendidos com 100% de desconto corrigiu a informação. No texto atual consta: "Mobiliar a casa com objetos de segunda mão resulta em economia de mais de 80%".Um móvel que custa 100,00 pode ser comprado por 20,00. Agora faz sentido!

Perguntar não ofende!

Manchete de um portal sobre compra de móveis usados: " com a compra dos móveis, a economia pode chegar a 100%". Ora pois, como dizem os portugueses, se um objeto custa 200 reais, por exemplo, e o consumidor conseguiu economizar 100%, então o móvel saiu de graça?

Escrever em blogs faz bem à saúde!


A busca por uma vida mais saudável pode ser um dos motivos do enorme aumento do número de blogs. Estima-se que sejam cerca de 3 milhões por todo o planeta. Cientistas e escritores há anos conhecem os benefícios terapêuticos de escrever sobre experiências pessoais, pensamentos e sentimentos. Mas, além de servir como um mecanismo para aliviar o stress, expressar-se por meio da escrita traz muitos benefícios fisiológicos. Pesquisas mostram que com a prática da escrita é possível aprimorar a memória e o sono, estimular a atividade dos leucócitos e reduzir a carga viral de pacientes com aids e até mesmo acelerar a cicatrização após uma cirurgia. Um estudo publicado na revista científica Oncologist mostra que pessoas com câncer que escreviam para relatar seus sentimentos logo depois, se sentiam muito melhor, tanto mental quanto fisicamente, em comparação a pacientes que não se deram a esse trabalho.

A reportagem é da revista Mente e Cérebro edição de janeiro e assinada por Jessica Wapner

As gostosas do BBB e a importância da televisão no Brasil. É fim de mundo!!!!

A história não é inédita: um consumidor compra uma televisão, ela não funciona e ele não consegue devolver o aparelho. A defesa feita pelo advogado é que é de se estranhar!

“Foi engraçado, mas não houve ato ofensivo a quem quer que seja, nem a time de futebol nem a emissoras de televisão”, diz o advogado Eduardo Botelho, que defende o consumidor autor da ação, motivada pela compra de uma TV com defeito. Na sentença, o juiz explica que o aparelho é essencial aos brasileiros, sobretudo por causa das “gostosas do ‘Big Brother'” e de jogos de futebol. Segundo Botelho, seu cliente comprou uma TV a prazo e, logo que chegou em casa, percebeu o defeito, mas não conseguiu trocar na loja. Então, conta o advogado, insistiu até que conseguiu uma visita da assistência técnica, que levou o eletrodoméstico de sua casa e, apesar de ter terminado de pagá-la, o comprador nunca mais viu a televisão novamente.

O documento determina que a loja pague R$ 6 mil por danos morais ao comprador. Ainda cabe recurso no processo, que corre no 2º Juizado Especial Cível de Campos, no Norte Fluminense.

'Gostosas do BBB'
Na sentença, o juiz Cláudio Ferreira Rodrigues fala do aparelho: “Sem ele, como o autor poderia assistir as gostosas do Big Brother, ou Jornal Nacional, ou um jogo do Americano x Macaé, ou principalmente jogo do Flamengo, do qual o autor se declarou torcedor?”.

Ele ironiza ainda torcedores de outros times cariocas: “Se o autor fosse torcedor do Fluminense ou do Vasco, não haveria a necessidade de haver televisor, já que para sofrer não se precisa de televisão”.

A matéria foi publicada nesta terça-feira (3) no jornal "O Globo". Na internet, é possível acessar o processo na íntegra.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

EXTRA! EXTRA! Jornal chama concorrente de mentiroso!

Deu no Jornal da Cidade de Aracaju-Sergipe: o semanário Cinform mentiu ao dizer que em 2008, com 52 edições, teve uma tiragem de 22 mil exemplares. Os números, segundo o Cinform, são medidos pelo IVC, Instituto Verificador de Circulação. A briga ganha pela primeira vez as páginas do Jornal da Cidade que chamou o concorrente de mentiroso. O Cinform garante que vende mais de 22 mil exemplares por ano e garante que vende mais que os três jornais locais juntos. O Cinform ganhou primeira página no Jornal da Cidade que escreveu: "O JC não inventa nem tripudia com a notícia, tem apenas uma identidade jurídica e paga seus funcionários, seus fornecedores e seus impostos em dia". O fato que é inédito em Sergipe certamente terá resposta. Aguardemos!
A nota está na edição de hoje no Jornal da Cidade com o título: Semanário Cinform mente